Quinoa: Conheça seus benefícios para a saúde e na perda de peso



A quinoa é um cereal com origem na região dos Andes, muito utilizada pelos incas antes da chegada dos colonizadores. Ela possui alto valor nutricional, é rica em proteínas de alto valor biológico, ou seja, que são aproveitadas pelo organismo em níveis consideráveis e possui cerca 20 diferentes aminoácidos, entre eles a lisina, que ajuda a fortalecer a imunidade e a melhorar a capacidade da memória. Ideal para os praticantes de atividade física, que demandam de uma necessidade superior de recuperação muscular. Não contém glúten, portanto, portadores de doença celíaca têm neste alimento um excelente substituto para a farinha de trigo, por exemplo. Ela pode ser consumida de diversas formas, como flocos, grãos, farinha e também serve como ingrediente na preparação de pães, macarrão, biscoitos, etc. Também é rica em fibras, que ajudam no funcionamento intestinal. E seu carboidrato é de baixo índice glicêmico, ideal para aqueles que buscam redução do peso. Isso quer dizer que há uma liberação lenta de seus glicídios na corrente sanguínea, ajudando a prolongar a sensação de saciedade e no controle do apetite, concomitante a um treinamento aeróbio os benefícios poderão ser potencializados. Possui gorduras do tipo ômega 3 e 6, que fazem bem pra saúde quando consumidas. Elas ajudam a reduzir a deposição de gordura nas artérias e com isso diminuem os riscos de doenças cardio circulatórias. Também auxiliam na regulação da leptina, hormônio que, entre outras funções metabólicas, age diminuindo a sensação de fome, mais uma vez auxiliando na perda de peso. Além de tudo isso, é rica em vitaminas (B1, B2, B3 e E) e minerais (cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, sódio, zinco, cobre e manganês). Quanto ao valor calórico, ele é semelhante ao de outros cereais. Por exemplo, em 100 gramas de quinoa, trigo e aveia, temos 336kcal, 330kcal e 405kcal, respectivamente. Mas mesmo com todas estas propriedades benéficas, não há necessidade e nem motivo para se restringir o consumo de outros cereais, pelo contrário, o indicado é consumir a maior variedade possível, pois um acaba complementando o que o outro não fornece e no final se atinge o equilíbrio desejado na ingestão de nutrientes. Fonte: Folha da Mulher