O verão e o seu corpo



É certo que o verão entusiasma tanto aqueles que já fazem exercícios físicos durante o ano todo quanto os que estão pensando em iniciar as atividades. Mas junto com o entusiasmo podem surgir as dúvidas em relação à forma correta de se alimentar. Algumas delas são muito comuns, como: se é correto comer antes de se exercitar, o que e quanto comer para atingir seus objetivos e também, se durante a prática de atividades há necessidade de repor algum nutriente. Sempre que for se exercitar, é indispensável fazer uma refeição pelo menos 1 hora antes, ou 30 minutos se for um lanche leve, para que o processo da digestão não seja prejudicado e acabe causando desconforto no momento da prática. Também, partindo de um dos princípios de uma dieta adequada que é alimentar-se a cada três horas, se você vai fazer exercício e já faz mais de três horas que comeu, então é necessário alimentar-se novamente. O número normalmente recomendado de refeições para um indivíduo é de seis por dia, sendo 3 refeições principais (café da manhã, almoço e jantar) e três lanches (um entre o café da manhã e o almoço, um entre o almoço e o jantar e outro após o jantar). O valor calórico das refeições principais é proporcionalmente maior que nos lanches e é importante que isso seja respeitado assim como os tipos de alimentos que irão compor esta refeição. No café da manhã, almoço e jantar deve-se ingerir carboidratos, proteínas e lipídios (gorduras), cada um na sua devida quantidade. Já nos lanches, não há obrigatoriedade em sempre consumir os três tipos, claro que, consumindo-os a refeição fica mais completa, mas pode-se abrir exceções. Por exemplo, se você optar por comer uma fruta num dos lanches, as frutas são ricas em carboidratos e quase não oferecem proteínas nem lipídios, mas não estaria errado o seu lanche, porque logo em seguida virá uma refeição maior, na qual você terá a oportunidade de ingerir os outros nutrientes que faltaram. No entanto, não seria correto substituir um almoço ou um jantar por frutas, porque por mais saudáveis que elas sejam, sozinhas tornariam a refeição pobre em proteínas e gorduras e não saciariam a fome como uma refeição balanceada, mesmo estando dentro de um valor de calorias adequado. Ou seja, não devemos dar importância apenas para o valor calórico das refeições, mas de quais nutrientes estas são provenientes (carboidratos, proteínas ou lipídios) e se eles estão balanceados corretamente. E o que comer antes e depois de se fazer a atividade? É importante que na refeição que antecede o treino haja o consumo de carboidratos. Pois são eles os principais combustíveis do nosso organismo no momento da atividade. A falta deles atrapalha no rendimento e a pessoa pode sentir-se fadigada, enjoada, e em alguns casos apresentar até hipoglicemia (queda do nível de carboidrato sanguíneo). Após o treino, o consumo de carboidratos também é necessário, uma vez que as reservas foram reduzidas durante os exercícios, elas precisam ser restabelecidas no máximo até duas horas depois do término da atividade. Mas cuidado com o tipo de carboidrato que se ingere. Prefira os provenientes de cereais integrais, frutas, legumes, raízes e evite os doces e os alimentos feitos com farinhas refinadas (pão branco, massas), pois estes podem ser mais facilmente convertidos em gordura pelo corpo se comparados com os demais citados. A quantidade a ser ingerida, não só nas refeições que antecedem e que sucedem o treinamento, mas ao longo de todo o dia é possível ser calculada. Ela é influenciada por diversos fatores como o peso corporal, a estatura, a idade, o sexo e o nível de intensidade de atividade que a pessoa desempenha ao longo de todo o seu dia, ou seja, ela é individual. Um nutricionista certamente lhe ajudará a calcular o quanto de energia você precisa e como distribuir corretamente as calorias ao longo de todo o seu dia, inclusive nas refeições pré e pós treino. Durante a prática de exercícios pode ser necessário ingerir alguma bebida ou comer algo sim, mas isso não acontece em todos os casos. Já a água sim, ela pode e deve ser ingerida sempre, principalmente em dias quentes e quando se faz exercícios ao ar livre. A ingestão de bebidas esportivas serve para repor a água eliminada do corpo através do processo de transpiração e ainda ajuda na reposição de sais minerais e de nutrientes energéticos, que evitam a fadiga durante a prática. Mas como já dito, não são todas as pessoas que precisam fazer esta reposição, pois o tempo e a intensidade do exercício determinam a necessidade ou não desta ingestão. Neste caso vale a pena buscar orientação personalizada de um nutricionista para ter uma alimentação adequada e garantir um melhor desempenho durante a prática e melhores resultados a curto e a longo prazo. Fonte: Jornal Folha da Mulher