Dores no quadril: Confira como identificar e evitar



As dores no quadril podem ser facilmente confundidas com as dores lombares ou ciáticas, causadas por disfunções ortopédicas, como lombalgias, hérnias ou bico de papagaio. Alguns problemas no quadril, podem ainda ser a causa dessas e de outras disfunções. As causas mais comuns são o resultado de excesso de atividades com impacto, como por exemplo corrida, saltos e caminhada, aliadas ao sobrepeso, baixo nível de flexibilidade e força. O impacto absorvido pelas articulações pode gerar uma inflamação na região sacroilíaca, articulação responsável  por  transmitir os impactos da perna para o tronco durante as atividades. Desigualdade do comprimento dos membros inferiores é outra forma bem comum de ocasionar dores, pois afeta a marcha e compromete um dos lados da articulação, podendo ocasionar a longo prazo uma lesão mais grave no próprio quadril ou na coluna. Outras causas comuns podem ser ocasionadas por instabilidade dos músculos do quadril, ou baixo nível de flexibilidade. Por isso é extremamente recomendável um trabalho de força e flexibilidade associado ao treino de corrida e caminhada. As atividades mais indicadas são a musculação em conjunto com o trabalho de alongamento específico ou pilates. As dores mais observadas ocorrem na região lateral do quadril, podendo indicar uma bursite ou inflamação no músculo tensor da fáscia lata.  A dor é intermitente, normalmente aparece a noite quando deitamos de lado sobre o quadril afetado.  Se for posterior, bem centralizada em um dos glúteos, a dor pode ser ocasionada pela compressão do nervo ciático pelo músculo piriforme.  Ainda na região posterior mas no sentido diagonal externo ainda podemos citar os músculos abdutores e glúteo, ou ainda na região anterior do quadril os músculos flexores do quadril inflamados. Qualquer sinal de dor, interrompa os treinamentos e procure um especialista para um diagnóstico preciso, como são muitas variáveis o diagnóstico pode levar um certo tempo. Compressa de gelo e calor ajudam a aliviar as dores, um alongamento leve e específico para cada região também podem auxiliar a relaxar e aliviar os sintomas. Evite ficar muitas horas em uma mesma posição, principalmente sentado durante o trabalho, procure levantar e caminhar algumas vezes durante o expediente. As atividades de força e resistência muscular associadas ao trabalho de flexibilidade auxiliam na prevenção dos problemas, mas deve-se respeitar a orientação médica caso já exista algum sinal de dor ou desgaste na região comprometida. Fonte: Folha da Mulher